segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Um ano



As efemérides têm destas coisas, deixam-nos melancólicos. As medidas temporais deviam ser banidas pois fazem-nos pensar demasiado no passado e tiram-nos o foco no presente e no futuro.
Fez hoje um ano desde que abandonei o meu país e embarquei noutra aventura na minha vida, como antes já o tinha feito outras vezes. Um ano voou, parece que ainda ontem estava a chegar sozinho ao aeroporto de Gatwick, trazendo na mala os poucos pertences dos quais não me desfiz, e a cabeça cheia de sonhos e ambições, ainda com os olhos meios molhados da despedida, mas querendo encontrar mais para a vida do que aquilo que Lisboa me tinha dado até então.

Foi um bom ano, aprendi muito sobre a vida e sobre mim próprio, e que venham mais assim, seja aqui na Inglaterra seja na China.

sexta-feira, 14 de setembro de 2012

Miséria



Apesar de estar longe, continuo sempre a acompanhar o que se passa no meu país, e não deixa de ser com tristeza que vejo que de dia para dia as coisas tornam-se cada vez piores, sem que se vislumbre qualquer tipo de luz ao fundo do túnel

Depois de ver quase uma hora e meia de uma entrevista ao nosso primeiro ministro em que se viu o pior da nossa classe política - totalmente autoritária e autista, como se não devesse qualquer tipo de explicações ao povo português, e de no mesmo dia ver a forma como o ditador lá da minha terra ri-se de gozo de uma manifestação á porta de uma das "suas" sedes de governo (sim Alberto, tu ris-te, ris-te mas vais acabar como o pulha do salazar - caquético, a viver num mundo de fantasia e esquecido por todos, como aquele familiar de quem todos têm vergonha e nunca é convidado para nada).

Cada dia que passa, mais fico com a ideia de que tomei a opção certa, e de que não apenas emigrei - fugi do meu país.

segunda-feira, 3 de setembro de 2012

Submarine


Faz muito tempo desde que um filme me obrigou a ficar acordado até horas improváveis num domingo á noite, mesmo sabendo que amanhã vou sofrer o dia todo porque não dormi o suficiente.
Este filme tem tanto de belo quanto de estranho, e tocou-me e fez me lembrar de coisas que á muito tinha fechadas e bem guardadas nos confins do meu subconsciente. Tenho que ir dormir agora, não sei se sorria ou se chore...