terça-feira, 10 de julho de 2012

Bazar do Povo


Parece que este velho ícone do comércio tradicional na baixa do Funchal vai fechar para dar lugar a uma loja de chineses. Nada contra os chineses em si, mas acho que o Bazar do Povo merecia um destino melhor. É o que acontece a quem não sabe evoluir com o tempo. O Bazar do Povo em meados da década de 80 era o sítio onde (ao contrário do que o nome indica) o pessoal endinheirado da capital ia comprar coisas - aquela loja de brinquedos no primeiro andar era mítica, a papelaria na cave vendia coisas que apenas podia ver nas prateleiras e imaginar que podia comprar. Tinha uma loja de louças que francamente não posso opinar (louças nunca foi o meu ramo), e uma retrosaria onde as senhoras de meia idade da cidade iam comprar as agulhas e novelos de linha para fazer roupa para os netos.
Tinha um cafézinho onde eu ia volta e meia, e foi lá que tomei café com a minha mãe pela última vez.

Tudo muda... quem sabe daqui a uma década ou duas volte a ser algo icónico para a cidade.

Sem comentários: