terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

Menina dos Olhos de Água



Menina em teu peito sinto o Tejo
e vontades marinheiras de aproar
menina em teus lábios sinto fontes
de água doce que corre sem parar
menina em teus olhos vejo espelhos
e em teus cabelos nuvens de encantar
e em teu corpo inteiro sinto o feno
rijo e tenro que nem sei explicar
se houver alguém que não goste
não gaste – deixe ficar
que eu só por mim quero-te tanto
que não vai haver menina p’ra sobrar
aprendi nos “Esteiros” com Soeiro
aprendi na “Fanga” com Redol
tenho no rio grande o mundo inteiro
e sinto o mundo inteiro no teu colo
aprendi a amar a madrugada
que desponta em mim quando sorris
és um rio cheio de água levada
e dás rumo à fragata que escolhi
se houver alguém que não goste
não gaste – deixe ficar…
que eu só por mim quero-te tanto
que não vai haver menina p’ra sobrar

Esta música surgiu-me na cabeça do nada quando ia hoje a caminho do metro para casa. E ainda bem que surgiu, tinha saudades de ouvi-la...

Vale a pena ouvir, e perceber, que numa altura em que o orgulho nacional anda pelas ruas da amargura, que ao contrário do que nos querem sempre querer fazer sentir, o nosso povo é capaz de criar obras tão especiais.

Interpretação de Pedro Barroso, do poema original do grande António Gedeão.

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

La décadanse


Alain Chamfort e Mylène Jampanoi - La Décadanse by music-videos

Este é um remake do original de Serge Gainsbourg e Jane Birkin. A estética está irrepreensível e a musica em si parece-me que está bastante mais conseguida do que a original. Serge Gainsbourg (grande maluco) insistia em fazer com que Jane Birkin cantasse uma oitava acima do normal para que parecesse um rapazinho a cantar... o que é um bocado avariado se formos pensar bem. O problema é que ali pelo fim dos anos 60 ele teve um affair com Brigitte Bardot, para quem chegou a escrever algumas músicas, a mais famosa das quais a "Je t'aime moi non plus" que chegou a ser cantada em dueto com Brigitte. Ora consta que ela era alguém de quem não se esquecia facilmente, portanto quando este se apaixona perdidamente por Jane Birkin pouco tempo depois, e quis com ela cantar a música que compôs para Brigitte, fez questão que esta não cantasse da mesma forma. Uns dizem que foi para se vingar da francesa, outros para que não se lembrasse dela...
As suas orelhas de açucareiro, cigarro sempre na boca e olheiras de quem não dormia á meses não impediram que coleccionasse romances com uma quantidade enorme de mulheres lindas, por isso devia de ser dono de um paleio que sim senhor.
Morreu em 1991 de ataque cardíaco, aposto que com uma mão no peito e com outra a segurar no cigarro, e com a "coolness" com que sempre viveu a sua vida.

Apesar de não cantar por aí além, os duetos que foi fazendo em timbre rouco com mulheres bonitas semi vestidas claramente marcaram uma época e caracterizaram um período da história. Apanhei um bocadinho muito curto dos anos 70, mas ainda o suficiente para usar calças á boca de sino, mas não o suficiente para poder ver como era Paris nesta altura. Gosto de pensar que a cidade era como os vídeos do Gainsbourg, com mulheres de cabelo liso de risca ao meio, com vozes roucas sensuais a andar por todo o lado. Não há nada mais sexy que uma mulher bonita a te sussurar "mon amour" ao ouvido, isso é garantido :)

domingo, 5 de fevereiro de 2012

Neveeeeeeeeeee

Parece natal outravêz, olho pela janela da minha sala/quarto e lá fora está tudo branco. Pode soar a parvoíce mas parece que finalmente ao vim de trinta e tal anos consigo viver um dos meus sonhos de infância - o de acordar, olhar lá para fora e ver tudo branco, coberto de neve. Já estive várias vezes em lugares com neve, e com bastante mais neve até - diga-se, mas agora é diferente, é aqui que eu moro! Estou feliz que nem um puto que vai amanhã estrear um trenó novo :)