terça-feira, 24 de maio de 2011

Polícias à paisana controlam movimentações de partidos madeirenses

Ter a polícia a reprimir partidos políticos é algo digno de uma qualquer ditadura de república das bananas, não de um país europeu, que se quer evoluido. A verdade é que sinto-me verdadeiramente perturbado com esta notícia, e envergonhado, pelo estado a que as coisas chegaram na minha terra...

O original desta notícia pode ser encontrado aqui. Como é um assunto de extrema gravidade, e o site do Diário de Notícias da Madeira nesta notícia específica está reservado a assinantes, resolvi reproduzi-la aqui.

"O Comando Regional da PSP deu instruções aos agentes para seguir e controlar as movimentações das candidaturas de pelo menos dois partidos às eleições legislativas de 5 de Junho - Partido Trabalhista Português e Partido da Nova Democracia. O objectivo é prevenir alterações da ordem pública e distúrbios durante as inaugurações presididas por Alberto João Jardim.

Segundo o DIÁRIO apurou, a PSP destacou uma equipa de seis agentes à paisana para recolher informações mais detalhadas sobre as acções programadas pelos partidos liderados por José Manuel Coelho e por Hélder Spínola.

O Comando da Madeira pretende assim calcular o potencial de risco associado para a alteração da ordem pública e antecipar, no local onde decorrerão as respectivas iniciativas políticas, o dispositivo policial adequado às circunstâncias.

Este efectivo, considerado o 'serviço de informações secretas' da PSP, está mais vocacionado para montar operações de videovigilância que suportam as investigações criminais melindrosas, como esquemas de tráfico de droga.

É também mais usual ver estes polícias a controlarem movimentações de claques com historial de violência do que propriamente a desmontar 'acções-surpresa' preparadas pelos partidos políticos em plena campanha eleitoral, ainda que a irreverência e a imprevisibilidade das iniciativas protagonizadas por José Manuel Coelho e por Hélder Spínola, já tenham surpreendido a Polícia por diversas vezes.

Há duas semanas, o cabeça-de-lista do PND vendou os olhos à estátua do Palácio da Justiça, numa iniciativa política de pré-campanha eleitoral que deixou os polícias pouco à vontade quanto à definição do procedimento correcto a adoptar - sem ferir as formas de liberdade de expressão e o estatuto consagrado aos grupos políticos organizados, procurando simultaneamente manter a dignidade daquele símbolo institucional da Justiça e da República Portuguesa.

Mas a grande 'dor de cabeça' do Comando da PSP é a presença do PND em actos oficiais do Governo Regional. As inaugurações presididas por Alberto João Jardim contam já com um vasto historial de distúrbios entre os apoiantes do PSD e da 'máquina' do governo contra os militantes da 'Nova Democracia' que não perdem a oportunidade para lançar 'slogans' de protesto a denunciar as "inaugurações eleitoralistas".

O aparato policial na inauguração da 'promenade' Câmara de Lobos-Praia Formosa, na última sexta-feira, é o mais recente exemplo da zelosa operação policial.

A presença de cinco dirigentes do PND, que exibiam uma faixa com uma mensagem dirigida a Jardim "rema p'rá terra!", foi mantida pela Polícia a bem mais de 100 metros de distância da comitiva presidencial.

No fim, Baltazar Aguiar teceu duras críticas ao forte contingente policial que foi mobilizado para o local, considerando-o desproporcional e garantiu que ia apresentar queixa na Direcção Nacional da PSP, no Ministério da Administração Interna e à Comissão Nacional de Eleições, alegando que foi vedado o acesso a candidatoas às eleições.

Segundo o DIÁRIO apurou, além de quatro polícias que garantiam a segurança pessoal a Alberto João Jardim, na Praia Formosa estavam mais quatro polícias à civil das brigadas de investigação criminal, cinco fardados da Esquadra do Funchal, cinco do trânsito e ainda dois das equipas velocipédicas.

Se somarmos todo o efectivo policial mobilizado pelas divisões policiais de Câmara de Lobos e do Funchal, chega-se a uma soma considerável de perto de meia centena de polícias, entre agentes, chefes e oficiais, sobretudo quando nesse momento, a PSP dispunha de apenas três equipas para assegurar o patrulhamento automóvel em todo o concelho do Funchal. O DIÁRIO tentou contactar ontem o comandante regional da PSP para obter alguns esclarecimentos sobre este assunto, mas Oliveira Martins não esteve disponível."

Será que ninguém consegue fazer uma praça Tahir no Funchal?

quinta-feira, 19 de maio de 2011

(Ainda) Sobre homens e mulheres

Acerca da digamos... forçada convivência entre Mulheres e Homens, Ramiro Calle numa recente entrevista ao jornal i, diz o seguinte:

"As mulheres têm um dom especial para escolher mal. Como dizia o grande filósofo espanhol Ortega y Gasset, as culpadas da mediocridade da raça humana são as mulheres, que escolhem sempre os medíocres. Há um dom especial na mulher para eleger mal e há algumas em que esta conduta se repete vezes sem conta.

Passa-se algo de muito estranho com as mulheres. Acham muito mais atraentes os homens que não são etiquetados, rotulados, mas assim que se apaixonam pelos que não são lineares querem que eles passem a sê-lo. Isso é contraditório. Quando uma mulher se apaixona por um boémio, ele será sempre um boémio e é o que vai ter. Não podem querer que o boémio seja um executivo sério. É como querer que um quadrado seja um círculo. Isto também acontece com os homens e é um dos grandes problemas entre casais. Quando tentamos - e até conseguimos - mudar uma pessoa, ela fica reprimida e com raiva em relação a nós. Temos de aceitar as pessoas como são e depois logo decidimos se queremos ou não viver em casal. O que não é possível é escrevermos todos os dias o guião da pessoa com quem estamos. Podemos gostar muito de uma pessoa no namoro e isso mudar com o casamento, com a vida a dois. Em Espanha dizemos que a convivência é o verdugo do amor."

Faço (literalmente) minhas as palavras do Homem. O sentimento foi mais ou menos tipo "finalmente alguém que me dá razão!!" :)

Para quem quiser acompanhar mais sobre este assunto que é tão recorrente aqui no pasquim, pode procurar aqui.

quarta-feira, 18 de maio de 2011

Feeling like this



Não, ainda não consegui ver o filme da Amélíe até ao fim (shame on me, i know), mas devoro as musicas do Yann Tiersen, tocam em loop no meu computador...

quinta-feira, 12 de maio de 2011

Bloqueio Literário II

Já vamos a 12 de Maio e nada de actividade considerável aqui no pasquim. Há muito para falar, a vida tem sempre conteúdo "espremível" que dê para encher páginas do blog de fartura, mas a verdade é que o sentimento aqui do autor é meio tipo "mas para quê?!?".
Podia vir para aqui falar de política, com as eleições a se aproximarem, mas a verdade é que vão ser mais 4 anos do mesmo, e sinceramente estou cansado da inépcia da maioria dos meus compatriotas... de futebol nem pensar, o meu benfica foi uma desgraça este ano. Não falo aqui de trabalho, por isso resta mesmo a vida pessoal, mas também isso não me apetece agora, por isso...

... dou-vos música! :)

Permitam por favor que vos deixe com uma música que é um autêntico hino aos sentidos, interpretada pela voz masculina mais sensual que existiu desde o saudoso Barry White, acompanhado por uma linda voz feminina que o complementa perfeitamente...


Não posso deixar de assistir a este senhor ao vivo na próxima vez que entrar em tourneé.