quinta-feira, 4 de novembro de 2010


Hoje sinto que perdi um pedaço de mim
que uma grande parte de mim se desvaneceu
Quando todas as outras portas se fecharam
tu abriste-me a tua, cuidaste de mim como
ninguém e hoje em dia o que sou devo a ti
fizeste-me passar bem pelos momentos mais difíceis
e estavas lá para mim quando pouco mais eu tinha!
Vivias para dar o que podias,
Trabalhavas imenso…
Sempre foste uma mulher de armas,
e nada te podia faltar enquanto trabalhavas
Tudo o que fazia era bem feito!

Tinha o seu feitio,
Mas a isso, nada lhe era combatido
Pois, quem mal aos seus fizesse,
a ela a incitava.
Perdi-a…
Com imensa dor que não recupero,
mas a ela, neste Mundo tudo devo

Espero que para onde vás, alguém
cuide de ti como tu dos outros cuidas-te
A ti desejo-te tudo de bom!
e que algum dia nos reencontremos!

:(
Décio

3 comentários:

Maria Soares disse...

"A morte é a curva da estrada,
Morrer é só não ser visto.
Se escuto, eu te oiço a passada
existir como eu existo.

A terra é feita de céu.
A mentira não tem ninho.
Nunca ninguém se perdeu.
Tudo é verdade e caminho."

Fernando Pessoa
(Ela está lá a olhar por vocês)

Gi disse...

Estará sempre presente no vosso pensamento, mas essencialmente no vosso coração. Um beijoooo grande**

Minha louca vida disse...

Querido amigo,

Apetecia-me agora dar-lhe um abraço apertado, típico dos trópicos.

A morte é uma viagem. Nos econtraremos todos em breve.

Conte comigo para o que precisar.

Sua eterna amiga