terça-feira, 16 de março de 2010

Contraluz



O António Feio tornou-se por estes dias, por força da sua doença, uma espécie de Ruy de Carvalho. Toda a gente de repente lembrou-se que também ele é efémero, e toca a trazê-lo para a ribalta e aplaudi-lo até não poder mais, por toda e qualquer coisinha que o homem faça. Pode parecer que estou querendo criticar, apesar de ser meio lamechas, acho louvável que se ache de aclamar o homem, um dos mais talentosos actores e comediantes dos nossos tempos enquanto ele vive. Sou fã incontornável do seu trabalho, e raios, mesmo sem conhecê-lo, tenho a sensação de que de certeza absoluta que é uma excelente pessoa.

Tendo tirado este último parágrafo do nada, e falando qualquer coisa relativamente ao vídeo, fiquei curioso para vê-lo, confesso.

Não vou comentar a frase que sucede ao comentário do António Feio. Aquilo foi posto ali para qualquer tóninho a aponte e meta no blog. Dá que pensar, no entanto...

2 comentários:

Edson Medina disse...

As viagens ao Brasil deixaram-te marca.

Este post está repleto de gerúndio. :D

Nélio disse...

Na Madeira também se usa o gerúndio, passei lá 18 anos da minha vida, há coisas que não se esquecem :)