quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

De pequenino...


Estas são as longas conversas que tenho no messenger com a minha afilhada de 4 anos :)

domingo, 21 de fevereiro de 2010

Dia triste

Olhar para a destruição na minha cidade deixa-me de lágrimas nos olhos.

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

Fail!

Ora, os nossos amigos lagartos vieram reagir ás recentes declarações de Luís Filipe Vieira - que se queixava do facto de José Eduardo Bettencourt ter faltado á palavra, não cedendo os tais 30% de bilhetes para o clássico, tal como se tinha comprometido aquando do acordo de antecipação do jogo - dizendo que relativamente a esse acordo:
"O presidente do Sporting aceitou a solicitação do Benfica, ainda que não tenha expressamente definido qual seria a percentagem dos bilhetes".
Mais á frente afirmam que:
"o Sporting consultou autoridades e entidades sobre a segurança do evento, ficando desde logo vedada a possibilidade de ceder os alegados 30 por cento que o Benfica fala"

Fiquei sem entender uma coisa: Se não tinha ficado acordada nenhuma percentagem (apenas que era mais que 5%), porque é que o pessoal do sporting foi consultar as autoridades sobre "a possibilidade de ceder os alegados 30 por cento que o Benfica fala" ?

Concerteza os representantes do Benfica acordaram em antecipar o jogo em troca de bilhetes para a esposa e para os filhos.

Tadinho do Álvaro

Então não é que o Cristiano Ronaldo ficou indignado com o facto de o Turismo de Portugal ter acabado por não apoiar Álvaro Parente a ir lá para a Fórmula 1?

O facto de serem representados ambos pela mesma agência (Gestifute) deve ser mera coincidência, e o facto de esta ter perdido agora uma pipa de massa não terá naturalmente tido nenhuma influência no facto do Cristiano Ronaldo ter vindo para a imprensa se queixar.

Mas ele tem uma solução fácil: se está assim tão indignado por o Alvarinho não ter ido para os carros, pode pegar ele em dinheiro (até porque ele tem bem mais nota que o Turismo de Portugal) e garantir que o amigo dá umas aceleradelas em autódromos espalhados por esse mundo.
Era de amigo, e os contribuintes portugueses não tinham que desembolsar ainda mais carcanhol. Bale?

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

De débeis mentais e Chavez "wannabes"

É banal um jornalista cair no desagrado do poder. Há um grau de adversariedade que é essencial para fazer funcionar o sistema de colheita, retrato e análise da informação que circula num Estado. Sem essa dialéctica só há monólogos. Sem esse confronto só há Yes-Men cabeceando em redor de líderes do momento dizendo yes-coisas, seja qual for o absurdo que sejam chamados a validar. Sem contraditório os líderes ficam sem saber quem são, no meio das realidades construídas pelos bajuladores pagos. Isto é mau para qualquer sociedade

Este é um excerto de um artigo de opinião de Mário Crespo, um respeitado jornalista cá da praça, com um longo historial e currículo invejável. Este artigo surge na sequência de uma alegada conversa de café entre José Sócrates, Pedro Silva Pereira, Jorge Lacão e um "executivo de televisão" em que os protagonistas insultaram alegremente o dito jornalista e o chamaram de "débil mental" e o categorizaram de "problema a ser solucionado".
Não querendo dar demasiada importância a um problema que não o é (eu próprio já chamei nomes a pessoas em conversas de café, muitos deles piores do que débeis mentais) o homem escreveu um artigo de opinião interessante.

Ao retirar esse parágrafo do contexto, constato que se aplica perfeitamente a uma ilha a cerca de 1000km's a sudoeste da capital - onde a imparcialidade não existe (no jornalismo como em todas as facções da sociedade) e a horda de Yes-Men domina em todo o espectro, quer socialmente quer políticamente. Num sítio onde as televisões privadas estão proibidas de transmitir o seu sinal de forma aberta, e onde a RTP-Madeira divulga a doutrina Jardinista, é muito fácil manter a população mais pobre na imbecilidade, aliás, é tão fácil que até perde a piada.

Acontece por lá quem quer que tenha uma opinião contrária ao regime não acaba sendo respeitado por ela - pelo contrário, é apontado na rua como um louco, porque na terrinha toda a alma penada que se atreve a dizer mal do líder é apelidada disso mesmo: "débil mental", "louco" e "problema a ser solucionado", "Comunista". Por isso, aconselhava o Mário Crespo a ir lá passar um tempinho, depois quando voltasse para o continente era capaz de olhar o Sr. Eng. com outros olhos.

Quanto ao artigo própriamente dito, e do facto de ele não ter sido impresso onde era suposto ter sido: é muito bonito sêr-se um Mário Crespo e ter o poder de publicar o nosso texto onde quer que nos apeteça, e fazê-lo só porque alguém ouviu uma conversa de café em que algumas pessoas nos chamavam nomes feios. Se não fossem figuras de proa do estado, nem estaríamos cá a falar nisso nem se tinha escrito tanta miséria, mas como é o Eng. Zé a dizer mal do Shôr Mário, de repente já há matéria de notícia...

Uma coisa que eu aprendi enquanto vivi no norte e que funciona bem neste caso: Não se tratam destas coisas em jornalecos de esquina e a fazer queixinhas como putos birrentos e mimados: estás chateado com o homem porque ele chamou-te de besta? Pega num pau e vai atrás dele... mainada!

terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

Saudades


Se voltar atrás no tempo fosse possível, e apenas tivesse uma única possíbilidade de fazê-lo, era para este instante que eu queria voltar.

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

Be happy!


Achou a direcção editorial do Pasquim do Nélio, em reunião na madrugada do primeiro dia do ano que tentaria expressar no blog uma faceta mais positiva da vida. Resultado: Um mês inteiro - 7 posts sem dizer mal de nada - fantástico, não e? Agora os críticos que dizem que neste espaço só se destila veneno, podem fazer o seu acto de contrição e deixar cá um comentário a pedir as vossas desculpas, ok? :)

Agora que começou fevereiro, vamos lá ver se continuamos bem dispostos :)