quinta-feira, 12 de novembro de 2009

De lisboa a badajoz...


... demora-se 2h12m segundo o Google Maps, e percorre-se uma distância de 225Km. Eu não fui a Badajoz, desengane-se o caro leitor, mas se fosse teria gasto menos tempo do que o que gastei hoje a tentar chegar a casa de transportes públicos. Foram exactamente 2h20m desde o centro de lisboa onde eu trabalho até aos arredores de cascais onde resido.Tendo em conta que até tenho a entrada do metro á minha porta, é um bocado ridículo que os transportes publicos nesta terra funcionem tão mal a horários tão ridículos e de forma tão pouco sincronizada.

Resumo da minha aventura:
Metro - 2 linhas, 40 minutos até ao Cais do Sodré.
Combóio - Uma aventura para comprar um reles bilhete, porque nenhum dos postos de venda automáticos (porque os manuais estavam fechados) tinha multibanco, e o pormenor mais bizarro tinha a ver com o facto de que a caixa multibanco se encontrava dentro da zona restrita do comboio, a tal onde se tem que passar o bilhete (que ainda não se comprou, porque não se consegue pagar com multibanco), numa espécie de deadlock. Depois disto, e porque se perdeu o combóio por 30 segundos, é tratar de esperar 30m pelo próximo e mais 40 de viagem até cascais.
Autocarro - Até seria giro ter um autocarro para me levar a casa, mas uma vez que o último saíu da estação ás 9 e tal da noite, não há nada pra ninguém. A solução é mesmo fazer meia dúzia de km's a pé para ir para casa.

Foram 2h20m nesta aventura, num percurso que de carro faço em 25m. É óbvio que quem manda nesta terra não faz a menor ideia do que é andar em transportes públicos ou se a tem, falta-lhe tem um pingo de vergonha na sua cara de vigarista, quando vem apregoar o uso de transportes públicos para bem do ambiente, da economia ou do raio que os parta.

RIDÍCULO!!

3 comentários:

Julia disse...

Eu, como uma convicta e fervorosa defensora dos transportes públicos, devo prestar aqui os meus comentários. Admito que há imensas falhas no sistema e que andar de carro dá sim muito jeito. Mas aqui vão alguns pensamentos que te ajudarão, meu caro amigo, a pensar de uma maneira mais abrangente.


1 - as frequências dos TP estão calculadas conforme a procura em determinado momento do tempo, não de acordo com o "Nelio Nunes' schedule". É só a partir das 22 horas que a frequência para Cascais passa a ser de 30 min. Antes disso, são 20 e em algumas faixas, de apenas 15. Não temos culpa que trabalhes em horários não-convencionais. A frequência nessa altura é de facto reduzida, já que a procura tb o é.

2 - quem anda normalmente de transportes públicos sabe de cor os horários de partidas e chegadas e evita tempos de espera muito grandes. Além disso, costumam ter o passe, o que elimina o problema em comprar um bilhete avulso.

3 - Esse ponto envolve uma questão mais complexa, que diz respeito ao porquê de viveres a 40 km do centro de Lisboa e ainda assim ter infra-estruturas rodoviárias de excelente qualidade, como é o caso da A5. São escolhas políticas, evidentemente. O dinheiro investido na A5 poderia ter sido gasto em melhorias dos comboios, por exemplo. Ou na instalação de helicópteros que fariam Lisboa-Cascais em 7,8 minutos. Ou em tapetes mágicos. Mas não o foi. E provavelmete se não houvesse A5, a tua casa não seria essa. São questões que exigem reflexões muito superiores a 5 minutos de conversa de bar.

Mas depois podemos combinar umas jolas para mais uma aulinha de Julia Orrico.

Kisssssssssssss

Ana disse...

Lá está, os transportes públicos foram pensados e calculados segundo as necessidades do "Zé Povinho" que entra às 09h e sai às 18h, 19h, vá no maximo 20h do trabalho! Malta que tem horário flexivel e pode ter um horario diferente, na cabeça dos senhores que mandam, não precisa dos Transportes Públicos ou mesmo que precise é castigado por entrar mais tarde e logo poder dormir mais do que aqueles, que como eu, apanham o quimbóio antes das 08 da manha e vão como belas sardinhas enlatadas para o trabalho!
Mas apesar de tudo isto, se tivesses um livrinho podias ter aproveitado todo esse tempo para relaxar e cultivar-te, o que não acontece quando se está nas filas intermináveis da A5 ou da IC19 :)
Ah e para não falar do dinheiro que se poupa!
Bem mas tudo isto foi só para te deixar mais contente, porque eu tambem só venho de transportes porque faço parte do Povinho, um dia quando for grande hei-de ter um avião e dou-te boleia ;o)

Bjoooooooo

Nélio disse...

Não foi assim tão mau porque levava o meu iPod com os podcasts dos meus programas de rádio preferidos, que passam logo de manhã na rádio para o Zé Povinho se entreter e que eu naturalmente não ouço, porque afinal de contas não me enfio no trânsito a essas horas. Fui a ouvir o "Governo Sombra" e o "Tubo de Ensaio" da TSF e o "Nuno&Nando" da antena 3. No combóio ainda apanhei uma edição do dia do Correio da Manhã, e informei-me de toda a porcaria que aconteceu neste país no dia anterior, quem matou quem com 30 facadas, quais os "ladrões brasileiros" que foram postos em liberdade pelos tribunais, quais os políticos corruptos (passo a redundância) que não foram indiciados por crimes... etc, etc.

A partir desta semana achei por bem começar a fazer carpooling com o marcos, porque cheguei á conclusão que gasto uma pequena fortuna todos os meses em transportes e é um bocado ridículo como moramos no mesmo prédio, trabalhamos mais ou menos na mesma zona, e temos horários parecidos, estarmos a poluír e a gastar dinheiro estúpidamente. Mas chegou ontem a experiência para saber que transportes públicos não são opção. Sendo que eu vivo na capital, e supostamente uma capital de um país ocidental dito desenvolvido, o sistema de transportes públicos não deveria simplesmente presumir que a partir das 10 da noite a malta devia mas era já estar em casa. Mais curioso é que o combóio á ida para cascais, mesmo ás 11 da noite estava completamente cheio, o que dá ideia de como as coisas estão mal escalonadas.
A ideia com que fiquei é que todo o sistema parece que foi escalonado por crianças birrentas, e que nada funciona com nada, é cada um por si (CP/Metro/ScottURB) e Deus por todos. Não se pode simplesmente ter um discurso de modernidade e de dizer "ah, ir de transportes públicos pro trabalho é baril" e na verdade ter atitudes que só demonstram que "queres ter vida própria, vai de carro". Agora já percebo porque é que tanta gente se atira para os carris do combóio, lol.