quarta-feira, 14 de outubro de 2009

Saia Justa (e asfixiante)

Porque o meu blog é um espaço livre de opinião (da minha, pelo menos), e como sou um gajo que opina sobre cenas e coisas (debita ideias difusas, como diz o anúncio), aqui vão os meus dois cêntimos sobre a ultima barbaridade cometida pela Maitê Proença:



Primeiro, devo dizer que sou... era um admirador de longa data da mulher, porque sempre me pareceu uma pessoa íntegra, inteligente, e porque pronto... a rapariga é mesmo muito gira (mó gata, em carioquêz) e apesar de já não ser própriamente jovem, ainda está aí para as voltas. A telenovela Dª Beija simplesmente marcou a minha entrada na adolescencia, e por isso também tenho que lhe tirar o chapéu.
No entanto, confesso que o meu conhecimento sobre a menina, reduzia-se a meia dúzia de entrevistas televisivas e imensas imagens guardadas da minha adolescencia, imagens em que a tipa aparece err... nua :) E como a nudez de uma rapariga bonita tem este dom de turvar opiniões, assumo publicamente a minha mea culpa.

Agora para a parte gira, a de arremessar argumentos (sólidos, quadrados, pesados e em forma de paralelipipedo):

Não conhecia o vídeo, nem sei porque é que quase 2 anos depois de ter sido gravado finalmente dá á costa na net e toda a gente se indigna com ele. Acho que não tem nada a ver sobre Brasil ou Portugal, ou como ambos se amam e se odeiam. O vídeo é de mau gosto e ponto. Se a rapariga está a querer ser engraçada, falha redondamente e só passa uma imagem ridícula de si própria ao mundo lusófono. Não tem piada e pronto. Se calhar o "Saia Justa" é um programa humorístico (confesso que não assisti nunca), mas para o ser não basta se classificar como um, é preciso ter protagonistas com piada. E nem é uma falta de humor inata do povo português (que consegui deter durante anos o vómito ao assistir o "Malucos do riso") ou a sua capacidade de fazer troça de si próprio.

O essencial a reter é o seguinte: ninguém gosta de se sentir atraiçoado. A Maitê Proença sempre gozou de imensa popularidade deste lado do atlântico, e sempre que veio cá foi recebida de braços abertos por toda a gente. Ver este vídeo foi mais como descobrir que a pessoa a quem oferecemos a nossa casa e demos o melhor de nós próprios foi a casa dos nossos vizinhos desdenhar de nós próprios, dizer que a nossa casa de banho cheira mal e que o vinho que lhe oferecemos, ainda que tenha sido o mais caro que pudemos comprar, não prestava para nada. Nem tem nada a ver com o facto de ela ser brasileira, portuguesa, italiana ou japonesa. Se o Ricardo Pereira chegasse aqui no verão e começasse a dizer mal do brasil ou dos brasileiros, num tom de troça sem qualquer graça, eu iria ficar indignado na mesma. É feio, muito feio desdenhar das pessoas que vos abrem os braços e que vos acolhem com o coração aberto. Denota uma falta de carácter atroz. Imagino como não serão as conversas dessa senhora quando não há cameras por perto, será que volta ao seu país para perpetuar a imagem de que os portugueses são burros, chamam-se todos "Joaquim" e "Manuel" e trabalham em padarias? De que as mulheres são todas feias, amargas e com pelos na cara?

Gente ignorante é preconceituosa por definição, e infelizmente uma grande fatia dos portugueses é ignorante, tal como uma grande fatia dos brasileiros o é. Ignorância leva ao medo, medo leva á mesquinhez. É verdade que há preconceitos contra os brasileiros neste país, preconceitos que me envergonham profundamente, mas que têm raízes na própria condição humana, e precisam de imenso tempo para serem contrariados, se é que algum dia o serão. Preconceito combate-se com educação, nada mais. Pessoas educadas conseguem sem esforço olhar o ser humano e não ver a cor da pele, a estatura ou o sotaque.

Mas isto não tem nada que ver com o vídeo. Ele é ofensivo e denota uma ignorância intrínseca da senhora, nada mais do que isso. Não vale a pena tornar a coisa num incidente diplomático nem aflorar ódios transnacionais que pura e simplesmente nunca existiram.

E para que não hajam dúvidas, sou um profundo admirador do Brasil, país ao qual volto sempre que tenho oportunidade. Muitos dos meus melhores amigos são brasileiros, e a minha cidade preferida no mundo é o Rio de Janeiro, onde sou sempre tão bem recebido que me sinto sempre em casa para qualquer lado onde vá. E quando chego cá, digo maravilhas dos sítios onde fui, e das pessoas que me receberam.

Post edit
Acerca disto, Nuno Markl - um rapazito que tenho em muito boa conta, que não cospe em fontes (acho eu) e comprovadamente é um gajo que tem piada - diz:
O video da Maitê Proença não chega a ser ofensivo para com os portugueses; acima de tudo parece-me razoavelmente ofensivo para com ela própria - é o mais espectacular auto-retrato de uma imbecil que já vi na vida. Ao pé dela, o tipo que pôs o número 3 ao contrário, na porta da casa de Sintra, é, provavelmente, um génio. Eu não tinha esta rapariga em má conta. Isto é raivinha contra o ex-namorado português?
Touché!

2 comentários:

Ligia Teixeira disse...

Oi Nelinho, estou absolutamente de acordo contigo, essa senhora não podia ter feito pior a quem a sempre tratou tão bem!
Como diz um nosso conhecido, era regá-la com gasolina e acender um fosforo.
By the way, descobri hoje o teu blog (via Facebook) e estou a acha-lo uma delícia.
Lígia

Minha louca vida disse...

Olá, querido.
Realmente deprimente. Sem palavras para descrever a estupidez da gaja que deve ter passado apenas alguns dias de sua existência em Portugal e acha que já conhece bem o povo português a ponto de fazer piadinhas ridículas como essas.
Preciso defender esse povo que tão bem me acolheu durante um ano e do qual sinto tantas saudades.
Sem dúvida, se não morasse no Brasil, meu lar seria em Portugal. Quem sabe até eu não volte um dia :)
Beijos com saudades.