quinta-feira, 10 de setembro de 2009

Bloqueio literário



Estive agora a olhar para as estatísticas de visitas daqui do pasquim, e é refrescante saber que apesar do meu recente bloqueio literário (10 de Setembro e só um Post... ok, 2 agora - e nenhum deles a dizer mal de alguma coisa) a malta interessada continua a cá vir ler coisas no blog. Um obrigado desde já aos fãs do pasquim :)

Confesso que ultimamente tenho me tornado cliente mais habitual do twitter, fruto talvez do excesso de trabalho que me tem acomedido nos últimos tempos e também a um certo ócio, provocado quer pelo limite de 140 caracteres do twitter quer pela falta de informação sobre o mundo a que me leva também pouco ter para escrever.

A vantagem de não ler notícias é também não ficar deprimido com elas. Até porque estamos em período eleitoral, e portanto - na silly season, a última coisa que quero que fira os meus sentidos é informação acerca daquela cambada de políticos palhaços que andam para aí a apregoar coisas sem sentido.

Mas infelizmente, até porque eu trabalho na equipa de notícias do sapo, e estou especialmente ligado aos projectos Sapo Autarquicas e Sapo Legislativas (aproveitem para ir lá ver), é natural que volta e meia seja compelido a ler alguma manchete, e invariávelmente lá está o Alberto João Jardim a dizer uma parvoíce qualquer.

Queria fazer um repto aos jornalistas para não se deixassem ceder á tentação de esticar um microfone a este senhor - eu sei que torna tudo mais fácil, são notícias instantâneas, mas de cada vez que este senhor abre a boca eu fico um bocado envergonhado por ser madeirense... tanto por não me identificar minimamente com a "doutrina", como também por não conseguir explicar aos meus amigos continentais como é que a maior parte dos meus conterrâneos é tão estúpida ao ponto de dar vitórias "chavescas" a este senhor á trinta e tal anos sem interrupção. Esta citação retirada dessa famosa marca de acendalhas, resume mais ou menos os meus sentimentos em relação a este senhor.

"Alberto João Jardim mudou a face da Madeira. Tem uma obra de betão extraordinária à custa da solidariedade fiscal de todo o país, mas em matéria de tolerância democrática só será exemplo para qualquer tiranete sul-americano."
Armando Esteves Pereira, "Correio da Manhã", 08-09-2009


Seja como for, entre candidatos suspeitos de vigarice, e condenados por o serem (vigaristas) o cenário cá no continente também não é melhor. Entre velhinhas a convocar amigos burlões para listas e a elogiarem tiranos por darem lições em democracia, entre primeiros minístros déspotas e enterrados em negócios sujos até á ponta das orelhas, entre lideres de partidos vermelhos, azuis e amarelos decrépitos de desfasados da realidade... vamos votar em quem??

Bem, acho que preciso emigrar deste país, ou então vou começar a colocar um nariz de palhaço todos os dias antes de vir para o trabalho, que acham?

Fiquem bem, e obrigado pelas visitas :)

Sem comentários: