terça-feira, 18 de dezembro de 2007

O novo aeroporto de Lisboa

O que é mesmo giro acerca dos blogues é que podemos vir para aqui dar a nossa opinião sobre tudo e mais alguma coisa e é garantido que alguma alma aí por esse mundo fora há de nos ler e quem sabe, concordar connosco. Com uma sorte danada, vinha cá ler o pasquim do Nélio o nosso digníssimo primeiro ministro, e com mais sorte ainda, o ministro das obras públicas Shôr eng. Mário Lino, se bem que eu ando convencido que o homem não tem internet lá em casa.

Então andamos num frenesim a ver quem puxa com mais força para tirar o aeroporto e mandá-lo lá para o raio que o parta.
Está tudo a esfregar as mãos de contentes, os construtores vão fazer mais uns milhões ás nossas custas com os dinheiro que vai ser disponibilizado para criar um novo aeroporto lá na Ota (vulgo, raio que o parta) e respectiva habitual derrapagem orçamental (que não há de faltar) e os mesmos construtores vão fazer fortunas faraónicas a demolir o actual aeroporto da portela e a construír um monte de prédios novos e centros comerciais para vender ao povo.

Andamos a investir fortunas a ampliar o aeroporto da portela, a criar o novo barracão para processar ilhéus (vulgo terminal 2), a meter equipamentos novos e isso tudo para assim de repente mandá-lo abaixo? Estamos a brincar ou quê?

Eu assisto incrédulo a um desenrolar de palhaçadas diárias de gente que ou quer trazer um aeroporto novo para o quintal (a malta com terrenos na ota ou em alcochete) ou de gente que quer o aeroporto fora do seu quintal (a mesma malta, mas com bigodes falsos e barba postiça).

É absolutamente rídiculo querer demolir a portela e criar um novo aeroporto. Concordo que o aeroporto actual está perto do limite de trafego, mas não aceito que construir um novo seja a solução.

Vamos desperdiçar 3,2 mil milhões de euros, recursos financeiros essenciais para a nação nos tempos que correm, apenas para saciar a sede que alguns empresários têm por dinheiros públicos. Parece que de tantos em tantos anos temos que jogar dinheiro fora á grande para sustentar sanguessugas, com derrapagens orçamentais a rondar os 100% e que ninguém consegue explicar de uma forma lógica sem recorrer ao corriqueiro: "foi azar!".

Vamos ficar sem um aeroporto central para mandar toda a gente para a Ota? Como é que isto pode ser inteligente do ponto de vista de planeamento da cidade? A maior parte das grandes capitais europeias tem pelo menos dois aeroportos, um para os voos mais caros e para as pessoas que não se importam de pagar mais para ficar mais perto do centro, e outro para as low-cost cujos passageiros não se importam de andar mais 50km para pagar 50 euros pela viagem. Não é mais inteligente criar um aeroporto periférico, tipo o de Stanstead ou o de Luton em Inglaterra?

Os defensores do "tirem o aeroporto de lisboa" fartam-se de esgrimir o argumento de que os aviões fazem barulho. Ora bem: em 1942, quando lá construiram o aeroporto, aquilo era bem fora de lisboa, e ninguém se chateava (A foto da esquerda é de 1965, e ainda nessa altura não havia quase nada em volta). Entretanto foram construindo ao ponto de ter prédios paredes-meias com o aeroporto e depois queixam-se do barulho?!!? Então quando o pessoal começou a construir prédios nos anos 70 quando aterravam os aviões com os JT8D que estremeciam tudo á passagem, não repararam que os ditos faziam barulho?!?! Agora que os aviões têm motores mansinhos é que se queixam? Bah!

Finalmente, parece que ninguém ouviu os especialistas na matéria: A localização foi escolhida sem sequer fazer um estudo metereológico sobra a área, os ventos são comprovadamente perigosos.

Eu estou francamente á espera que o país acorde desta letargia absurda de deixar os políticos fazerem tudo o que lhes apetece. Agora de repente vejo umas 500 melhores aplicações para os 6 mil milhões de euros (contabilizando a derrapagem orçamental "prevista") do que para construir uma pista de alcatrão lá no fim do mundo.

Sem comentários: