segunda-feira, 12 de novembro de 2007

Mamonas Assassinas

Corria o ano da graça de 1995 mais ou menos por esta altura do campeonato (12 de Novembro), a esta hora devia estar já bêbado por um canto, a berrar alto e a bom som "Lessiiiiii!!" ou "Sisteeeemaaaaassssssss!!!!". Tinha acabado de chegar á universidade e os muy dignos engenheiros achavam de encharcar a caloirada com a maravilhosa cerveja "Estrella Galicia" que era a escolha óbvia não só por ser a mais barata, mas também por ter... álcool (Eramos caloiros, entenda-se).

A discoteca que estava na bera era o Populum, o campo da vinha em Braga ainda tinha árvores e a musica que batia em todo o lado era uma tal de "Estou na lua" de uma banda chamada "Lunáticos", bem a propósito. O pessoal que conseguia sobreviver ao roteiro hard-core de BA-Insóltito-Populum-Pachá, encontrava-se ao final da noite (ou início da manhã) no infame clube 84, cujo dono que era um velhote muito castiço, ex-campeão das corridas de carros (exibia as fotos dos seus tempos de glória com orgulho das paredes da discoteca) que tratava de por á prova a alegada rigidês de um caloiro de sistemas com as suas famosas promoções: "500 paus, bebes 3 cervejas e 2 whiskeys" ou a dos "300 paus, bebes toda a cerveja que conseguires".
Nessa altura, quando o teor alcoólico ainda dava para distinguir as músicas, ouvia-se e curtia-se Young Gods, o ice-t a cantar bodycount, o Jim Morrisson a dar o seu pior, sei lá... acho que nunca encontrei depois disso mais nenhuma discoteca onde o sentimento fosse o mais puro possível, isto é, a malta ia para lá tão somente para curtir o som e apanhar uma bebedeira das antigas, mainada... pelo menos a maior parte de nós, lembro-me que o verga, ao seu melhor estilo, conseguiu ficar sem os dentes da frente quando levou um coice do porteiro... mas, fica para outro post.

Mas afinal, que raio é que este post tem a ver com os Mamonas Assassinas? Pois, quando nós saiamos da discoteca, bebados a arrastar-nos pelas paredes, não vinhamos a cantar "kissing the sun", ou "riders on the storm".. naaa, muito complicado, vinhamos a cantar nada mais nada menos do que excertos daquele disco que nos arrebatou a todos, o disco dos Mamonas Assassinas. Em 1995 eram eles que bombavam, com o seu estilo metal-forró-grunge-sertanejo-funk-sei-lá eram o maior sucesso. Toda a gente dos 8 aos 80 sabia cantar pelo menos uma música de cór, e cantava-a com ritmo.

Quem não se lembra de versos como:

"Te encontrei
Toda remelenta e estronchada num bar,
entregue às bebida
Te cortei os cabelos do sovaco e as unhas do pé
Te chamei de querida
Te ensinei
Todos os auto-reverse da vida
E o movimento de translação que faz a Terra girar
Te falei
Que era importante é competir
Mas te mato de pancada se você não ganhar!"


Infelizmente no dia 2 de março de 1996, na véspera de virem para Portugal, numa viagem de regresso de Brasília para São Paulo, o piloto que já vinha com 16h30m de serviço, e depois de uma aterragem mal sucedida virou para o lado errado e espetou-se na serra da cantareira, em guarulhos. E lá se foram os mamonas.
Deixaram a memória de uma das bandas mais hilariantes de sempre, com as musicas mais contagiantes que alguma vez ouvi. Mais divertidas do que Ena pá 2000, mais mexidas que Ivete Sangalo, mais profundas que Vitor Espadinha (ou não). Em 8 meses de existência venderam 2.8 milhões de discos e ficaram para a história, merecidamente.


Mesmo após o seu desaparecimento o pessoal cantava mamonas á saída do 84, ou então o hino da madeira (dependendo da gravidade da bebedeira).

Bons tempos :)

2 comentários:

ana mafalda disse...

bem eu nao sou do tempo do club 84...nem do pacha ....e muito menos do populum (esta foi so para meter nojo ..hihihi).....mas sem duvida lembro me bem dos mamonas assassinas ....e do vira :)))).....

e para recordar ca fica

http://www.youtube.com/watch?v=tD9zaR_nuxE


o inesquecivel vira vira

bjuuuuu

Macalila disse...

Olá!
Pá...encontrei este blog pesquisando no Google por club 84. E o que leva uma pessoa a fazer uma coisa dessas a um sábado de manhã? Saudades! lol
Saudades desses tempos. :)
Não te conheço, mas pelo que descreves, de certeza que nos cruzamos numa dessas manhãs :p
Fica bem!